CASAR OU FICAR COM AS EMPRESAS?

As relações de trabalho, nada mais são, que os reflexos dos contextos sociais aos quais estas relações estão inseridas. Os comportamentos humanos se traduzem em todos os âmbitos: sociais, pessoais e de trabalho.

Alguns anos atrás o casamento era a única forma permitida socialmente, de duas pessoas demonstrarem seu amor e vontade de permanecerem juntas por toda vida. Com as mudanças de paradigmas e inovações no contexto social, entrou em cena a geração do “ficar”, caracterizada por manter relações superficiais, sem cobrança, sem envolvimento, sem fidelidade e nem expectativas, baseadas no “aqui e agora” e sem projetos futuros.

Esses comportamentos também foram transpostos para a área do trabalho por vários motivos: seguir uma tendência social, pessoal e do próprio mercado de trabalho.

Na década de 80, vivia-se a estabilidade profissional nas empresas, os profissionais que estavam empregados desfrutavam da segurança de um emprego. A relação do funcionário com a empresa era de um “casamento”, ou seja, tinha-se um projeto de vida, planos futuros e uma continuidade.

Com a abertura do mercado e a vinda de novas empresas, as relações de trabalho começaram a mudar. Novas oportunidades de emprego foram criadas, a concorrência aumentou significativamente, tanto em termos de empresa como em termos profissionais. Os profissionais foram estimulados a “ficarem” com as empresas, ou seja, buscarem novos desafios, novas oportunidades e novas satisfações. Assim, esses profissionais “ficantes”, acabam não fazendo plano á longo prazo dentro de uma determinada empresa, não apresentam um comprometimento efetivo e sentem-se à vontade em ficar flertando com outras empresas. O reflexo deste comportamento para a organização é o aumento do turn-over e a dificuldade de formar uma equipe comprometida e coesa.

Mas essa tendência de comportamento esta mudando novamente, pesquisas recentes mostram que o número de casamentos formais esta aumentando, as pessoas estão cansadas do “vazio” e querem ter relacionamentos mais sólidos, verdadeiros e com planos para o futuro.

Atualmente, as empresas estão cada vez mais buscando profissionais que queiram “casar” com elas. Querem profissionais comprometidos e que vistam de fato a camiseta da empresa.

Para que isto ocorra é necessário investir na relação com os colaboradores da empresa, estimular desafios motivadores e ter políticas de gestão de pessoas eficientes, que auxiliam na retenção destes profissionais.

Qualquer relação saudável deve ser nutrida de trocas afetivas, as pessoas necessitam dar e receber. Então reflita, até que ponto você esta se doando e investindo para que suas relações sejam satisfatórias e duradouras?

* Camilla Terra

*Psicóloga Organizacional e Diretora do Grupo Camilla Terra Consultoria Organizacional.